29 de dez de 2008

Retrospectiva

Coisa mais clichê é fazer um balanço do ano que passou. 2008 acaba, e, nada mais comum do que fazer uma retrospectiva de tudo o que passou, e de tudo que eu quero para o ano novo.


Vamos lá: Tivemos crise econômica, chuvas, inundações, crianças jogadas da janela, padres voando com balões, seqüestros que bateram recorde de duração e testaram nossa paciência frente à TV... Até a Dercy Gonçalves morreu, mesmo eu pensando que morreria antes dela!


Teve Madonna no Brasil (e outro teste com nossa paciência)! Teve Luana Piovani e Dado Dolabella (mais um teste). Teve ex-marido de atriz da Globo que apareceu misteriosamente morto... Só faltou um escândalo no carnaval com a Luma de Oliveira!


Sapatos voaram em direção ao presidente dos EUA. E uma nova esperança surgiu com a eleição de um novo presidente, que pode se tornar um herói para o mundo (Pode??? Acho que não!).



Teve uma eleição nojenta aqui em BH. Fiz campanha para o 69, até porque, “69 dá pra fazer”, não é, Leonardo Quintão?


Aconteceu tudo isso... E mais...


Meu balanço pessoal de 2008 é que ele foi um ano muito bom!


Trabalhei em uma área que jamais pensei em trabalhar: política. Uma oportunidade de conhecer pessoas maravilhosas e fazer amigos.
Fumei maconha de novo e decidi que não quero mais.
Bebi e vomitei da primeira vez que fui a casa de um amigo.
“Beijei na boca de quem não devia, peguei na mão de quem não conhecia”.
Vi máscaras caírem.
Tive uma pessoa me aborrecendo grande parte do ano.
Revi velhos amigos (Talita!! Saudade demais!).
Abandonei esse blog.
A minha idéia para a monografia foi aprovada (e bem aprovada, modéstia à parte!).
Tirei minha carteira de habilitação.
Passei muito tempo com minha família.
Fui a alguns shows (e em 2009 tem Alanis em BH!!).
Saí bastante...

Acho que só isso tudo! Hehe

Entro em 2009 sem muitas expectativas. Impossível isso, afinal de contas, esse ano é minha formatura! Não tem como não ter expectativas sobre isso. Prometi que quero ser mais egoísta esse ano: pensar mais em mim e no que eu realmente quero, sem me reprimir por causa dos outros... Acho que 2009 vai ser um ano bom! Sempre melhorando... Que o ano novo seja melhor que o velho, e que eu volte a atualizar o blog mais vezes no decorrer dos 365 dias.

Feliz ano novo!

27 de out de 2008

Plágio

Olá!
Sem idéias pra postar, resolvi plagiar alguém!


enten(re)denção.

eu vou seguir o seu conselho: ser feliz.
mas isso é difícil. suado. eu ainda não entendo.
mas acho que todo mundo entende.
então eu vou seguir o seu conselho mesmo não entendendo.
eu ando pensando que talvez ninguém entenda também.
então eu pensei que todo mundo não entende.
então não sou só eu. é você.
então eu entendi que ninguém entende mas faz que sabe ou entende ou parece entender.
e eu vou continuar pensanso nisso.
e aí eu acho que eu vou conseguir saber.
se bem que continuo até agora achando muito difícil.
então eu vou lá e chegando lá eu vou saber que é o que eu quero.
então, eu acho que eu não vou seguir esse conselho.
eu acho que eu vou seguir uma luz.
mesmo pelo escuro eu vou andar atrás de uma luz pequena quase morta.
essa luz talvez seja o que eu acho que até consigo entender.
e daí eu vou sentir. lá dentro. no fundo. de verdade.
e vou sorrir. será. será sorrir.
eu acho que sim. eu conseguirei. eu tento. eu vou.
até lá.
oi.
você quer vir aqui também?


Não sei bem pq escolhi esse texto... acho que tem um pouco a ver comigo atualmente... Mas não me pergunte porquê!!

Prometo q volto logo e conto alguma novidade...
Época de pensamentos soltos, voando alto... sem nexo, sem nda...
Confusão!

Abço^^

2 de set de 2008

Virada

De uma coisa eu não posso reclamar mais: da minha vida rotineira. Há uns dois meses, tudo mudou! E mudou bastante! Para melhor, o que é o mais importante.

Consegui um estágio, atuando “quase” como um jornalista. E, para a minha surpresa, em uma área que nunca pensei em atuar: política! Logo eu, que nunca suportei política!

“A gente não gosta de político, a política é uma coisa fantástica”, disse meu chefe, certa vez. É verdade! Ver as estratégias políticas, ver os ‘arranjos’, a forma como a campanha de um candidato a prefeito se concretiza... Tudo isso é, realmente, muito interessante.


Já os políticos... Ah... essa “raça” todo mundo já conhece.


Tenho a oportunidade de aprender muito, não só profissionalmente. Conheci pessoas muito legais, que me ensinam muito... sem falar da oportunidade de colocar em prática tudo o que aprendi em quase quatro anos de faculdade.

Estou cansado, porém, felicíssimo com os acontecimentos recentes da minha vida! Tô até ficando triste por que a campanha acaba no mês que vem...

Esse post (que inclusive está sendo feito em horário de trabalho) é só pra dizer que ainda tô aqui!! E que, meu diário ainda está em branco simplesmente por falta de tempo... Coisa pra contar não falta!! Aos poucos vou contando tudo...

O chefe chegou!

Até uma próxima!

E vote consciente! hehehe

22 de mai de 2008

Post Solene

Lisonjeado pela indicação do Luifel, depois de vestir meu terno, minha gravata, e de passar o meu perfume mais cheiroso, estou aqui respondendo (depois de esclarecer minhas dúvidas sobre o assunto) o meu meme!


I - Qual é a sua palavra favorita?
Igualdade. Acho que se fôssemos mais humildes e tratarmos uns aos outros com mais igualdade, seria tudo mais fácil.

II - Qual é a palavra que você menos gosta?

“SE”. É ela que estraga muito de nossos planos... rs
Ex: SE eu tivesse jogado no número certo, eu teria ganho na Mega Sena



III - Qual é o seu som favorito?

Um rock meio pop... MPB, samba...
Alanis Morissette, Kid Abelha, Cássia Éller, Los Hermanos, Amy Winehouse e Roberta Sá... Dá pra saber mais ou menos o meu gosto?!


IV - Qual é o som que você mais odeia?
Sertanejo, pagode e rap... não rola!


V - Qual é o seu palavrão favorito?
Porra! Caralho... q pergunta filha da puta! Difícil!


VI - O que te anima?

Estar com pessoas que gosto. Um trabalho de faculdade bem feito, por exemplo. Ou qualquer coisa que me deixe orgulhoso me anima!


VII - O que te repugna?

Vaidade. Mas não a vaidade de se sentir bem, de se cuidar... É a vaidade que faz as pessoas se acharem sempre melhores q os outros. Isso eu não suporto! Isso me repugna...


VIII - Qual profissão, diferente da sua, você gostaria de ter?
Publicitário. Chefe de cozinha...
Cantor (se eu soubesse cantar)
Ator, talvez ( se eu tivesse coragem! rs),


IX - Qual profissão você nunca gostaria de ter?
Eu até gostaria de ter, se tivesse vocação pra isso, mas, como esse não é o caso, não seria médico. Não tenho sangue frio pra isso...

Também não seria político. Por amor à minha mãe! Não gostaria q ela fosse xingada pelo país todo!


X - Se existir o Paraíso, o que você gostaria de ouvir Deus te dizendo quando você chegasse à porta do Céu?
“Missão cumprida, colega” uashuaashu


Agora, o selo!


E a indicação:

Favelas do Mundo

Doce Balanço

Não gosto de Chico

Coisas Mínimas

O Holograma

A ótica de um míope

11 de mai de 2008

Estranho...

Acordou sentindo um frio além do normal. Logo ele, que era sempre tão calorento. Ainda não tinha percebido que seria um dia estranho. Estranho...

Tratou de se agasalhar antes de ir pra aula. No ônibus viu que era o único que estava agasalhado. Sentiu-se diferente dos outros. Ainda mais por estar vestindo um moletom laranja.

Chegou à sala de aula e, para sua surpresa, ainda era o único com roupa de inverno. “Será que é exagero meu? Será que não está tão frio assim?” – pensava. Na hora do intervalo, arrependeu-se por ter deixado o agasalho na sala de aula. Se encolhia a cada vento.

Em sua cabeça, sua camiseta branca parecia muito mais branca. Até isso parecia destacá-lo no meio dos outros. E justamente num dia daqueles que, como todo mundo, tudo o que ele não queria era ser percebido pelos demais.

Depois da aula foi até uma clínica médica fazer o exame psicotécnico, para dar início ao seu processo de habilitação. Pouco tempo depois de chegar foi encaminhado à sala de exame. Muito nervoso, ele começou a seguir as instruções da simpática mocinha que lhe pedia para fazer desenhos:

- “Mantenha os dois pés no chão, por favor” – pedia

Para ele, ainda mais quando nervoso, era difícil manter os pés parados, imóveis, estáticos. Se pudesse, tenho certeza, ele se sentaria sob as pernas cruzadas. Assim faria “desenhos” muito mais bonitos, e não aqueles que pareciam ser feitos por uma criança. Finalmente o exame acabou. A moça saiu da sala e voltou em seguida com os ‘rabiscos’ marcados em vermelho. Disse a ele que aguardasse o médico na sala de espera. Naquele momento não se sentiu estranho. Pelo menos parecia ser normal. Já ouvira dizer que os loucos não eram aprovados em exames como esse.

O médico o chamou:

-“Tudo bem?”

-“Tudo...”

-“Diga, por favor, qual luz está acesa!”

-“Verde”

-“E agora?”

-“Vermelha”

- “E agora?”

-“Vermelha... a outra era amarela, né?” – e sorriu sem graça.

-“Você já sabia que era daltônico?” – perguntou o médico.

E começou a mostrar-lhe um monte de desenhos bem coloridos. Ficava nervoso quando não conseguia ver nenhum desenho diante daquelas bolinhas coloridas. A sensação de normalidade acabou ali. Agora tudo era estranho novamente. Sentia-se como um rato de laboratório, sendo examinado e questionado pelo médico a todo momento sobre “que cor é essa?”.

-“ A pressão está normal” – disse o médico enquanto atendia o celular.

Pelo menos a pressão estava normal. Aliviado, recebeu a notícia de que estava aprovado.

O Sol estava quente. Eram três da tarde. Não pensou muito, abriu a mochila e retirou os óculos escuros. Ao entrar no ônibus, foi novamente como se todos olhassem para ele. Era novamente o ‘elemento estranho’ da situação. Nenhuma pessoa usava óculos escuros no ônibus. Sentou-se na primeira cadeira, sozinho, evitando ser visto. Mas, ainda assim, tinha que lidar com os olhares disfarçados do trocador. Pensou que só poderia ser por causa dos óculos. Ou será que sua camisa branca, bem branca, tornara-se ainda mais reluzente por causa do Sol? Será que estava sujo? Será que um passarinho teria feito cocô em sua testa e ele nem tinha percebido? Será que alguém pregara um papel escrito “chute-me” em suas costas? Deu uma conferida no reflexo da janela e não viu nada de anormal. Então pra quê tantos olhares? Chegou em casa. Sozinho. Longe de qualquer olhar curioso. Por pouco tempo...

Foi à padaria. O lugar estava vazio. Pegou a cesta e começou a escolher os pães. Ao pegar uma rosca, ela se partiu. Ele poderia ter escolhido outra, e deixado a quebrada lá, como outras pessoas “normais” fariam. Mas ele não queria. A rosca se partiu na sua mão e, outra pessoa certamente não compraria o pão danificado.

Ao se virar para o balcão onde os pães seriam embalados, viu que todos estavam parados lhe observando. Demorou uns quinze segundos até uma das atendentes começar a embalar.

Ou eu estou extremamente bonito hoje, ou eu estou extremamente feio, ou eu estou extremamente estranho...” pensava.

- “A rosca quebrou?” – perguntou a balconista

-“Quebrou quando fui pegá-la” – tentou explicar.

Enquanto uma moça embalava os dezoito pães e a rosca quebrada (!), a outra olhava assombrada. Parecia mesmo muito espantoso alguém ir à padaria e levar pães pra casa. Agradeceu e saiu, sentindo como se continuasse sendo observado. Chegou ao caixa e respondeu à mesma pergunta: “A rosca está quebrada?”

Do caminho da padaria até sua casa, continuou se sentindo estranho. O que será que as pessoas pensavam ao ver um rapaz com tanto pão?

“Por isso que é gordo”?

“Quantas pessoas ele vai alimentar?”

“Será que comprou pão pra rua inteira? Quem sabe para o bairro inteiro?”

Enquanto caminhava, se indignava com isso! As pessoas não sabem quantas pessoas irão comer aquele pão. A verdade é que o pão serviria para dois dias: hoje à noite e amanhã de manhã! E ainda tinha uma visita faminta esperando pelo lanche aquele dia. Ninguém tinha nada a ver com isso... Ficou com raiva.

Chegou em casa. Comeu um pão e um pedaço da rosca quebrada. Ainda sobravam dezessete pães, e mais a rosca quebrada. Comentou com a mãe, que dividia a atenção entre ele e a novela das seis, o que acontecera na padaria.

Foi para o quarto ouvir música. Colocou a lista de execução para tocar no computador. Entre as 598 músicas selecionadas, a primeira a tocar foi uma do Los Hermanos. Qual?

Uma chamada “Cara Estranho”.



Foi dormir

23 de abr de 2008

Presente de Aniversário



A mãe estava trancada no quarto. Era mais uma das suas crises de enxaqueca, daquelas que a deixava de cama por três dias, todos os meses. Era o último dia, o dia que ela começava a esboçar algum sinal de recuperação. Já estava acostumado. Era sempre assim: desde que ele se entendia por gente.

- Já sabe da novidade? – perguntou a mãe.

Ao dizer que não, foi informado por ela que deveria perguntar a irmã sobre o que acontecera. Ele foi.

A irmã estava vendo televisão. Sessão da Tarde. Ele ainda se recorda da imagem, como se estivesse acontecido há poucas horas. Era sempre assim: a irmã sempre gostou de filmes, e fazia questão de assistir a todos eles antes de ir à escola. Era a irmã mais velha.

- “Eu tô grávida” – disse a moça meio sem querer.

Uma sensação de que a casa acabara de desmoronar sobre si tomou conta do menino. Menino? Quinze anos... talvez um menino ainda. Impulsivamente, ele sugeriu um aborto. Ficou desesperado, e foi ao quarto da mãe falando alto, sem se importar com sua enxaqueca. Berrou, chorou, falou besteiras... e saiu.

Era sempre assim: ele caminhava acompanhado de sua tia. A tia já sabia da gravidez, mas não tinha dito nada a respeito do assunto. Poucas pessoas da família sabiam. Ao mencionar o nome da irmã, ele começou a chorar novamente, como se aquilo fosse o fim do mundo. A tia tentava consolar, em vão. O menino chorava muito, sem se importar com as pessoas que olhavam pra ele com cara de espanto.

Agora tudo fazia sentido! Por isso a moça foi vista vomitando algumas vezes, alegando indisposição... Por isso o pai andava calado, pensativo, estranho... A culpa era de sua irmã e do namorado dela, do “cara que a engravidou”. O menino tentou jogar essa culpa para os dois. Não deu muito certo. A solução era se acostumar com a idéia de que daqui a alguns meses, a família ganharia um novo membro.

O processo de “contar a novidade” aos outros membros da família foi longo, gradual e embaraçoso. Não era um caso de uma gravidez planejada, e a moça tinha só 17 anos. Mais uma mãe adolescente. Mas isso é o tipo de coisa que “acontece nas melhores famílias”, diriam.

Durante toda a gravidez, ele e a irmã mantiveram uma relação delicada. As brigas aumentaram e, sempre que possível, ele a fazia chorar. As grávidas ficam mais sensíveis e, com sua irmã não foi diferente. Ciúme? Creio que não... Mesmo quando teve que ceder seu quarto para o berço do neném. Que cara teria? Como seria? Como se chamaria? Eram tantas dúvidas, tanta ansiedade, tanta vontade de que o bebê viesse logo. Era uma menina! E ele fez uma lista de nomes. Do mesmo jeito que ajudou a irmã a lavar todas as roupinhas que já tinha ganhado e decorar alguns objetos de decoração para o quarto da menina. Agora ele estava empolgado com a situação e os nove meses pareciam eternos. Aos poucos, a idéia de ser tio se fixava na cabeça do garoto.

Um dia, chegando da escola, encontrou a irmã se arrumando. As contrações estavam forte, e a bolsa havia se rompido. Era agora. A mãe estava no trabalho, o pai trabalhava em outra cidade... Por aquele instante, o “menino” foi o “homem” da casa. A situação exigiu maturidade! Uma amiga da escola foi quem levou a irmã para o hospital e quem ficou responsável por mandar notícias.

Notícias que não chegavam! A ansiedade aumentava, junto com a preocupação. Ele se lembrava do procedimento cirúrgico pelo qual a irmã teve que passar para evitar um aborto espontâneo há meses atrás.

Ele pensou nas besteiras que disse quando soube da gravidez da irmã. Um aborto? Agora que aquela possibilidade independia de sua vontade ele se preocupava!! A agonia durou até a noite. A menina nasceu as 22h. Um dia inteiro num misto de felicidade e agonia. Ao receber o telefonema ele se sentiu “tio”. Dormiu com o irmão mais novo, como o “homem da casa” faria numa situação dessas.

No outro dia, na escola, não lembrava em nada o menino que se constrangia ao comentar a gravidez adolescente da irmã. Fazia questão de exibir para todos que já era tio. Só no outro dia à noite que conheceu a sobrinha, e ficou radiante ao carregá-la no colo pela primeira vez.

Assim que a irmã começou a trabalhar, ficou com o tio a responsabilidade de cuidar da menininha. Agora ele já tinha 16 anos, ela oito meses. Era o tio quem passava o dia todo com ela. Até trocou o turno da escola e, agora, estudava à noite.

Ele era o responsável por levar a menina ao jardim, e a buscá-la também! Chegava, preparava a mamadeira e a colocava pra dormir. Dava comida e limpava o cocô. Na semana que a menina completou um ano ela deu os primeiros passos e o tio coruja, ficou todo orgulhoso ao ver a menina no centro da sala, no dia da festa, dançando funk. Até hoje se lembra daquela imagem... Nada tão gracioso como aquilo

A sobrinha passou a ser uma espécie de filha. Um pedaço do tio. Motivo de orgulho, de preocupação. Depósito de amor, e fonte também, de onde ele recebia um amor incondicional daquela menininha.

O tempo passou. O tio virou um homem. A menininha, hoje é uma criança que está aprendendo a ler e escrever. O tio, não menos orgulhoso, acompanha cada palavrinha nova que a menina lê sozinha...

São muito unidos. Há muito do tio na criança. Há muito da criança no tio.

Nesta semana a criança completa sete anos. E o tio, orgulhoso como sempre, resolve contar uma história para que um dia ela saiba o quanto é amada.

Hoje o tio tem certeza de que se arrependeria profundamente caso a irmã tivesse seguido seu conselho e feito um aborto. Hoje o tio sabe que sua vida não seria a mesma, se não fosse aquela gravidez inesperada; aquele “acidente” que lhe trouxe seu bem mais precioso.

O nome da menina é Thais...

E seu tio, sou eu!

30 de mar de 2008

O Viciado...

É engraçado como dá pra conhecer muito de uma pessoa através do seu perfil num site da internet. Eu mesmo: Minhas comunidades me entregam! Dá pra saber muito sobre mim. Saber, por exemplo, que faço parte do grupo de Pessoas Tímidas, Porém Loucas. Timidez, aliás, é um problema sério! Tímido não! Extrovertímido! Às vezes consigo ser tão tímido que Eu tenho vergonha alheia. Outras vezes, tenho vergonha de mim mesmo. Quando Dou risada na hora errada, por exemplo.

Debochado? Quase nada!!! Em algumas situações eu tenho ataque de risos... Rir (dos outros) faz bem! Eu rio de mim mesmo, eu dou risada de piada tosca, eu fico rindo sozinho... Na foto do orkut eu tô rindo!

Música! Alimento para a alma. Eu amo musica... Musica boa sem rótulos: Alanis Morissette, porque a Alanis Morissette arraza (Arraza?? Caralho! Custa escrever certo?), Amy Winehouse, Alicia Keys e Joss Stone, The Cardigans , Janis Joplin - curto demais!!! Shakira. Shakira?? A Shakira é gostosa e ponto. Mas não ouço só musica internacional!! Meu gosto musical é bem eclético: Nando Reis e Cássia Eller, Los Hermanos, Roberta Sá, Cazuza , Elis Regina, Rita Lee, Zélia Duncan, Kid Abelha, Pato Fu, Maria Rita e Marcelo Camelo, Marisa Monte, Fernanda Abreu, Os Mutantes, Verônica Ferriani... Música Brasileira sim!

Eu amo cantar! Eu canto junto com a musica mas queria saber cantar bem. Eu canto mal, mas gosto, aliás, eu canto bem, vocês é que ouvem mal. Eu tenho um complexo de musical: eu começo a cantar do nada! Pra cada palavra uma musica.

Às vezes nem eu me entendo! Acho que Tô Ficando Velho. Será? Eu nunca vi um Lucas velho! Será que eu morro antes de ficar velho?? Credo!

Que saudades da minha infância... Eu via Carrossel no SBT, Eu também assistia Mara Maravilha, Eu jogava Super Nintendo, Eu assistia Caça-Talentos... Punky - a levada da Breca (Sempre quis o quarto da Punky!), Super Vicky - A menina Robô! Putz, a menina Robô! Você lembra, hein? Os Jetsons, O Pequeno Príncipe, Doug... Desenhos inesquecíveis! Mas acabou a sessão nostalgia! Agora vamos às Confissões de Adolescente! Época do Meu Primeiro Amor...

Ops! Falei... mas não era pra falar! Isso é assunto meu! Odeio me apaixonar. Só me fodo! Ainda mais por que Eu Não Tomo a Iniciativa. E Eu me apego muito fácil !!! Desse jeito Éh foda! Eu me iludo, eu me fodo! É sempre assim... Ah... Amar... é complicado, né? Como vou entender o amor se, às vezes... nem eu me entendo. Eu me decepciono a mim mesmo.

Cadê minha Alma Gêmea? Sou Feio, Mas Sou Legal! Não sou chato, sou só na minha... Metido não, distraído! APA!!! Apa puta que te pariu! Ando tão Carente... Tô na seca! Putz, falei merda!

Quero ser assexuado!

Eu nunca...

Não! Não! Não é isso que você pensou, aliás... Eu te perguntei alguma coisa!? Pense o que você quiser!! Nem me conhece! Fica falando...Credo! Tenho certeza que ninguém pensou bobagem... só eu mesmo! Tudo no duplo sentido. A minha imaginação é foda!

“Ninguém me ama, e sou feio...”

Mude seus pensamentos...” – alguém me dirá – e eu direi que não! Quando se pensa positivo, quase sempre dá errado, então Pense Negativo! De todo jeito você sai ganhando... Se der certo, vantagem! Se der errado “eu já sabia mesmo...”. O negócio é que Minha vez nunca chega! Mas Não faz mal...eu espero! Tenho certeza de que ainda passarei alguns Dias dos Namorados... sozinho. Quando eu morrer, quero que entrem com um processo para transformar o dia do meu aniversário, 30 de julho, no Dia dos Encalhados! O que vocês acham??

O segredo é não correr atrás...eu acho! Quer saber? Cansei!! O amor q me encontre!

Vamos beber, porque namorar tá foda! Vamos beber porque comer engorda! Pensando nisso, acho que engordei. Será que É por que eu to gordo? Ta bom, eu confesso: Tenho pneu, que avião não tem? Mas O mundo dá voltas! E muitas... Eu tô emagrecendo! Enquanto isso a gente vai levando de algum jeito! Limpando os ouvidos, por exemplo: Cotonete = prazer sexual! Exagero, né?! Isso é só mais uma das minhas Piadas sem graça! (Hãn hãn Entendeu o trocadilho?).

Tá difícil Namorar!!! Mas eu tenho amigos! Eu e meus amigos temos 6 anos, é verdade! Nos comportamos como crianças às vezes! E isso é bom! Seja um idiota também! Deixe pra ser sério só nas horas em que isso for realmente necessário! Sorrir é fundamental! Amigos, amigas... Amizade Homem X Mulher existe! Eu tenho amigos virtuais até... Por que pessoas legais moral longe? (Saudades de quem mora longe!!! Se o Teletransporte existisse) Ah neim... mas o que importa é que Verdadeiros amigos são eternos. E quero que cada um dos meus amigos preste atenção nessa frase: “Quero você pra vida inteira”!

Falo merda pra caralho, né? E Palavrão também, né? As vezes falo sem pensar, pode ser por isso! Mas nem ligo... Cansei de estar sempre certo! Bonzinho só se fode! Queria ser mau as vezes... Não! Não tente me converter! Nunca mais serei bonzinho!

Odeio quem quer ser o que não é! Por isso que eu tento ser “eu” sempre... mesmo que depois eu pense: “Por que eu fiz aquilo?Nada Acontece Por Acaso... Se eu fiz é porque tinha que fazer... Ah... Dane-se o mundo!!! Eu quero é mais!

Droga, Fiquei com Sono! Eu ainda vou escrever um livro mas hoje não! Senão eu durmo... Eu fico triste domingo à noite e hoje é domigo! Tristeza sem nenhum porque...? Claro que tem um porque! Putz... amanhã tem aula.

Só pra finalizar... o orkut tá chato, né?!